SITE EM ACTUALIZAÇÃO          

Mensagem de boas vindas ao WIPE 2017
O Director Geral do ISCED-Uíge, Domingos Kimpolo Nzau, PhD.

Ilustres Convidados, Minhas Senhoras e Meus Senhores.

A todos, o colectivo do ISCED do Uíge e eu, seu Director Geral, vos saudamos efusivamente por nos terem correspondido ao nosso humilde apelo.

É um apelo que pensamos ser de consciência para com os problemas de Educação no País.

Isto porque, embora se assista todos os anos uma corrida desenfreada às inscrições para o ingresso de novos estudantes nas Instituições de Ensino Superior do País, mas os resultados dos exames de acesso a que têm estado a serem submetidos representam uma verdadeira catástrofe. Aliás, quantos é que são admitidos ao ensino superior com notas muito baixas só porque existem vagas?

Este fenómeno e outros eventuais acontecimentos que assistimos diariamente no nosso País despertaram-nos a consciência para reflectirmos profundamente o que se passa com o nosso ensino.

A resposta que encontramos nessa nossa busca prévia, é que prevalecem ainda até hoje os indicadores menos significativos em certos relatórios de pesquisa sobre a qualidade de ensino em Angola, apesar de muitas estratégias de mudanças já aplicadas pelo nosso Executivo.


Nessa perspectiva, foi em 2014, que o Presidente da República e Chefe do Executivo Angolano, Engº José Eduardo dos Santos, na sua mensagem sobre o Estado da Nação observou a falta de professores com boa formação que incide no sistema educativo angolano e ordenou o seguinte:


“Precisamos de mais e melhores professores, de melhorar os métodos de ensino e de avaliação mais rigorosa e objectiva nos cursos de ensino médio e profissional, em particular, e no Ensino Superior, de modo a não formarmos jovens que não consigam emprego por falta de competências ou que acabem por aceitar o subemprego”, fim de citação.


É precisamente com base dessa orientação, que na actual conjutura nacional, todos os discursos defendem que é preciso promover o mérito para que tenhamos um ensino de qualidade em Angola, isto desde a educação da infância ao ensino superior. Um ensino que é capaz de mudar o actual panorama que exige romper as barreiras de uma verdadeira revolução quantitativa que carece de uma revolução qualitativa, convergente com as prioridades do desenvolvimento harmonioso do nosso sistema educativo.


Na procura dessa solução, é obvio que as Instituições angolanas de formação de professores têm uma urgente tarefa e uma nobre missão a cumprir na conquista da edificação e consolidação do sistema de ensino, onde a construção de conhecimentos assuma principal destaque, substituindo assim a ideia de “obtenção de diploma” para melhor inserção profissional.


Deste modo, apresenta-se essencial recuperar a qualidade de ensino ministrado nas nossas Instituções (Creches, Escolas e Universidades), de modo a que os alunos respondam melhor aos desafios quotidianos da sociedade moderna. E como somente com a investigação se pode questionar e procurar as respectivas respostas, reflectir sobre as práticas de ensino oferece-se ser um momento de oportunidades e sinergias entre o Espaço Angolano de Ensino e o Espaço Angolano de Investigação aqui presentes para alterar a situação deficitária que se observa no sector de ensino.

Tais idéias sobre como concebemos, como organizamos e como avaliamos as práticas no nosso ensino em nível do País continuam ausentes nas nossas Instituições tanto de ensino quanto da Investigação.

Daí as seguintes perguntas:

Qual é a visão académica do Ensino, em nível do Universo, em geral e em Angola, em particular? Que apelos que essa visão deixa à Comunidade académica e aos profissionais do ensino, hoje, face aos eventuais constrangimentos detectados? Como é que Angola alinha a esses apelos?

Estes e outros aspectos que esta temática pode suscitar e que carecem ainda de respostas conclusivas são questões que este encontro procura abordar do qual aguardamos muito sinceramente a contribuição de todos.

Esperamos que não venha a ser o primeiro e último, mas sim podemos a partir de agora traçar estratégias que procurará perpertuar encontros desta natureza no País.

Este Workshop é de carácter nacional, entendemo-lo assim para que a tarefa não seja apenas de uma região ou Instituição, mas sim de todo o País. Por isso, temos junto de nós vários actores de sistema educativo nacional vindos de Cabinda, Luanda, Bengo, Benguela, Lundas (Norte e Sul) e de outras regiões do País, que procuraram juntar a sua voz ao nosso chamamento considerando-o como também deles.

Esperamos assim, com esse Workshop fomentar o debate acerca do tema, bem como despertar os menos atentos para a importância do tema, a fim de romper com as evidências que apontam para uma fraca ligação entre o ensino e a investigação para contribuir na melhoria da qualidade de ensino em Angola.

Prezados Actores do Sistema Educativo Angolano, durante dois dias consecutivos, cerca de vinte e cinco trabalhos serão apresentados e debatidos em três paíneis, em vez de cinco inicialmente programados conforme podem ver no programa actualmente distribuído e que iremos concluir com uma mesa redonda sobre a problemática da formação de professores de qualidade em Angola. Para associar a teoria com a prática, o Workshop prevê uma visita de campo para visualizar os indicadores de qualidade de ensino em algumas Instituições da cidade do Uíge.

Pela presença de todos, nós, do fundo de coração, vos agradecemos, desejando-vos boas vindas para quem nos visita pela primeira vez aqui no ISCED do Uíge e maior dedicação a todos os participantes ao WIPE 2017.

Obrigado pela atenção dispensada.

Para mais informações consulte o nosso site http://www.isced-uige.co.ao

<